Notícia

29/06/2016

Audi TDI completa 10 anos em Le Mans

A Audi tem uma história recente, mas cheia de glórias na tradicional prova das 24 horas de Le Mans. Participante desde 2000, a marca das quatro argolas dominou a competição no século XXI. Neste ano, a empresa completou 10 anos de quando iniciou uma revolução tecnológica com a introdução do motor TDI, de combustão a diesel, na competição.

Em 2006, a Audi se tornou a primeira marca premium a vencer a principal corrida de endurance com um motor a diesel. Com o desenvolvimento contínuo, o TDI se tornou ainda mais eficiente, fazendo parte dos complexos motores híbridos. Mesmo com a desafiadora tecnologia, nunca um modelo da montadora para a prova foi tão poderoso como o atual Audi R18. Isso tudo com um alto nível de eficiência de combustível.

E a revolução foi literalmente silenciosa. O ronco do motor do R10 TDI, que estreou a tecnologia em 2006, era diferente de tudo aquilo já visto – ou ouvido – em Le Mans. “Em alta velocidade, mesmo o barulho do vento era mais alto que o do motor”, destaca o piloto Tom Kristensen, nove vezes campeão da prova.

A estreia do motor V12 TDI em 2006 foi um dos maiores desafios da Audi Sport. Segundo o chefe da Audi Motorsport, Dr. Wolfgang Ulrich, foi necessário criar todo o conceito do protótipo com o novo motor. “Das proporções do carro e distribuição de peso ao fluxo de ar, o o arrefecimento e a transmissão de energia, tudo era novo, já que o torque e a potência superaram tudo que conhecíamos”, destacou.

O motor de 5.5 litros e 12 cilindros a diesel foi montado utilizando bloco de alumínio. O Audi R10 TDI fez seu primeiro teste em Misano, na Itália, no dia 29 de novembro de 2005. Apenas 200 dias depois ele fez sua estreia nas 24 Horas de Le Mans e saiu vencedor. O modelo pilotado por Frank Biela, Emanuele Pirro e Marco Werner completou 380 voltas no Circuit de la Sarthe, com 5.187 km percorridos.

Nos dois anos seguintes, o modelo foi novamente o vencedor, garantindo três vitórias em suas três primeiras participações da mais tradicional prova de endurance do mundo.

Em 2010, a Audi deu mais um passo de evolução com o R15 TDI. O novo motor V10 TDI era 100 milímetros menor, 10% mais leve, com melhor desempenho. Os pilotos Timo Bernhard, Romain Dumas e Mike Rockenfeller percorreram 5.410 km e 397 voltas em Le Mans para garantir mais um título para as quatro argolas. O domínio foi total: as três primeiras colocações foram ocupadas pelo R15 TDI.

Em 2011, estreou o Audi R18 TDI. Mais uma vez, uma redução de do V10 para o V6 TDI. A empresa mostrou como o downsizing chegou para marcar os avanços tecnológicos na indústria automotiva, com motores menores, mais eficientes e com melhor desempenho. O motor de 5.5 litros no R15 deu lugar a um bloco de 3.7 litros no R18 TDI.

O R18 TDI foi campeão em 2011 com os pilotos Marcel Fässler, André Lotterer e Benoît Tréluyer e, no ano seguinte, com o R18 e-tron quattro, que usou tecnologia híbrida pela primeira vez.

Em 2013, o trio Loïc Duval, Tom Kristensen e Allan McNish foi campeão com uma versão evoluída do R18 e-tron quattro. Além de levar Le Mans, o trio foi campeão de toda a temporada de 2013 do FIA World Endurance Championship (WEC).

Em 2014, com mudanças nas regras que levaram a mais restrições aos veículos que exigiu à Audi a fazer o V6 TDI consumir 22% a menos que o predecessor. Fässler, Lotterer e Tréluyer chegaram à terceira vitória do trio, a oitava do motor TDI em Le Mans.

Uma década de avanços

Desde 2006, o diâmetro do restritor de ar diminuiu 34%, a pressão de carga caiu 4,7% e a capacidade cúbica decresceu 33%. A potência, caiu de 650 para 490 cavalos, apenas 24%. Como resultado, o aproveitamento de energia por litro aumentou de 118 para 146 cavalos entre 2006 e 2011, um ganho de 24%.

O atual motor V6 TDI consome 32,4% a menos de combustível que sua primeira geração, de 2011. Os avanços em relação ao TDI de 2006 são ainda mais marcantes. O protótipo da Audi consome 46,4% a menos do que quando estreou na WEC, há 10 anos.

E mesmo assim, os tempos de volta no Circuit de la Sarthe são entre 10 e 15 segundos menores que os de uma década atrás. Tudo isso foi possível com uma combinação de avanços na aerodinâmica, design leve e, claro, no powertrain.

A tecnologia do motor foi desenvolvida em parceria da Audi Sport com a produção da empresa para os carros de rua. Assim, a marca deu sequência à produção de veículos cada vez mais eficientes.

A alta pressão da injeção leva a uma eficiência ainda maior, e essa tecnologia está sendo levada às linhas de produção.

 

voltar

Veja também